Impactos sociais da Revolução

Oi filha querida,

Vamos agora conversar sobre as transformações sociais decorrentes da Revolução Industrial, bem como sobre o Ludismo e o Cartismo, dois movimentos associados aos operários da Revolução Industrial.


Transformações Sociais

A Revolução Industrial causou significativas transformações em quase todos os setores da vida humana. No ponto de vista socieconômico, foram separados o capital, representado pelos donos dos meios de produção, e o trabalho, representado pelos assalariados. Com isso, foi eliminada a antiga organização corporativa da produção utilizada pelos artesãos.

Submetidos à remuneração, condições de trabalho e de vida sub-humanas, em oposição ao enriquecimento dos patrões, os trabalhadores associaram-se em organizações trabalhistas como as trade unions (sindicatos) fomentando ideias diante do quadro social da nova ordem industrial.

Po outro lado, a Revolução Industrial estabeleceu a supremacia burguesa na ordem econômica, ao mesmo tempo que acelerou o êxodo rural, o crescimento urbano e a formação da classe operária.

Era o início de uma nova época, onde a política, a ideologia e a cultura gravitavam em dois polos: a burguesia industrial e o proletariado.


Ludismo (Movimento Ludita)

Foi um movimento ocorrido na Inglaterra entre os anos de 1811 e 1812, que reuniu trabalhadores contrários aos avanços tecnológicos proporcionadas pela Revolução Industrial. Os ludistas protestavam contra a substituição da mão de obra humana por máquinas. O ludismo pode ser considerado o primeiro movimento operário de reivindicação de melhorias nas relações e condições de trabalho.

O nome do movimento tem origem no nome de um suposto trabalhador, Ned Ludd, que teria quebrado as máquinas de seu patrão. Esse suposto evento, que não tem comprovação, inspirou operários que viam nas máquinas a razão de miséria.

Além de histórico, este termo passou a expressar um conceito político, designando todos os que se opõem ao desenvolvimento tecnológico ou industrial.

Os luditas chamaram muita atenção pelos seus atos, evidenciando o receio dos operários perderem seus empregos, além das péssimas condições de trabalho e de baixa remuneração. Eles invadiam fábricas e destruíam os equipamentos que, por serem mais eficientes que os homens, tiravam seus trabalhos. Os luditas ficaram lembrados como “os quebradores de máquinas”.

O Movimento Ludita perderá força com o surgimento dos primeiros sindicatos na Inglaterra, as chamadas trade unions. Os luditas foram importantes por levar a um questionamento do modelo de desenvolvimento do capitalismo e pelo emprego de tantas máquinas.


Cartismo

Foi o primeiro movimento de massa dos operários da Inglaterra, ocorrido entre as décadas de 30 e 40 do século XIX. Esse movimento exigia melhores condições para os trabalhadores na indústria. Durante vários anos os cartistas realizaram comícios e manifestações por todo o país, nos quais participaram milhões de operários e artesãos.

O nome do movimento tem sua origem na carta escrita pelo radical William Lovett, em maio de 1838, a chamada Carta do Povo, na qual estavam registradas todas as reivindicações que os participantes do movimento desejavam ver implementadas:

  • Voto universal;
  • Igualdade entre os distritos eleitorais;
  • Voto secreto por meio de cédula;
  • Eleição anual;
  • Pagamento aos membros do Parlamento;
  • Abolição da qualificação segundo as posses para a participação no Parlamento;

O Cartismo é um fenômeno associado às mudanças trazidas pela Revolução Industrial. A massa de trabalhadores vinda do campo para suprir a demanda de mão de obra nas fábricas sofria com salários baixos, péssimas condições de trabalho e turnos de trabalho excessivos.O Cartismo foi o primeiro movimento tanto de classe como de caráter nacional, contra as injustiças sociais da nova ordem industrial na Grã Bretanha.

A Carta do Povo não foi ratificada pelo Parlamento inglês e o governo reprimiu seus simpatizantes e prendeu os seus dirigentes, esmagando o movimento. A influência do cartismo, porém, sobre o desenvolvimento do movimento operário internacional foi muito grande.

Após o fim do movimento, diversas leis trabalhistas foram criadas no intuito de combater a exploração da força de trabalho e mediar as relações entre os operários e a burguesia industrial.


Organização do Socialismo

No aspecto político, a Revolução Industrial veio consolidar o liberalismo econômico, solidificando o modo de produção Capitalista. O modelo de Estado Liberal, já existente na Inglaterra, é difundido nos países que se industrializam ao longo do século XIX, disseminando a criação de riqueza.

Do ponto de vista social e político, surgiu uma nova classe social o proletariado, e com ela o início de uma luta de classes entre a burguesia e o proletário.

Os socialistas definiam a luta de classes como o resultado do antagonismo entre os trabalhadores e os patrões. Antes do surgimento das fábricas, o trabalhador artesão dominava todo o processo de produção e controlava o seu tempo de  trabalho; com as fábricas, o trabalhador passou a ter que se adaptar ao ritmo de produção ditado pelo processo industrial, perdendo o controle sobre o processo produtivo em nome da maior produtividade.

Além disto, as condições de trabalho eram muito precárias, havendo também exploração do trabalho infantil e feminino, cujos salários eram mais baixos que os dos homens. As jornadas de trabalho ultrapassavam as catorze horas diárias…

Como forma de reação a esta situação, a classe operária organiza movimentos para conquistar melhores  condições de  trabalho.

Beijo do pai!

Advertisements

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s